You are currently viewing Conheça os principais cuidados com o bebê no inverno<span class="wtr-time-wrap after-title">Tempo estimado de leitura: <span class="wtr-time-number">5</span> minutos</span>

Conheça os principais cuidados com o bebê no invernoTempo estimado de leitura: 5 minutos

Crianças e bebês são o público mais afetado pelas doenças de inverno, principalmente porque o sistema imunológico deles ainda não está totalmente formado. Nesse post eu trouxe 7 cuidados com o bebê no inverno.

Vale lembrar que a maioria das vacinas, incluindo a contra gripe, só pode ser aplicada nos bebês depois dos 6 meses de idade. Por isso, os cuidados com o bebê no inverno precisam ser redobrados. Se forem recém-nascidos ou bebês de até 1 ano, a atenção deve ser maior ainda, já que eles ainda são muito frágeis e estão expostos a doenças com as quais não tinham contato enquanto estavam no útero da mãe.

Cuidados com o bebê no inverno

1- Cuidado com o contato

A maior parte das doenças de inverno é transmitida pelas vias respiratórias superiores – ou seja, pelo nariz e pela boca. Espirro, tosse, beijo e até mesmo o toque de uma pessoa que esteja contaminada pode transmitir as mais diversas doenças. Por isso, é importante evitar beijar o seu filho caso você esteja doente, além de tomar cuidado com as visitas em casa para o bebê.

2- Mantenha a carteirinha de vacinação em dia

Baixas temperaturas e tempo seco são os ingredientes perfeitos para a disseminação de doenças respiratórias e infecções, por isso, atenção redobrado nos cuidados com o bebê no inverno. No frio as pessoas ainda tem tendência de procurar lugares fechados e aglomerar, o que aumenta a contaminação das pessoas.

Por isso, é extremamente importante manter as vacinas do bebê sempre em dia.

Abaixo deixo posts que fiz sobre a importância das vacinas e o calendário completo de vacinas públicas e particulares para crianças.

Calendário de vacinas do bebê de 0 a 24 meses

Vacinas de 2 a 10 anos

Vacina para crianças: posto de saúde ou clínica particular?

3- Tudo bem limpo

Também é importante manter a casa limpa, livre de poeira e sujeira, principalmente no quarto do bebê, para evitar que doenças respiratórias, como a rinite, piorem e eliminar ácaros ou outros desencadeantes alérgicos. Além disso, lave as mãos com água e sabonete ou use álcool gel com frequência.

Essa foi uma lição importante que aprendemos durante a pandemia da COVID-19 e um hábito que precisamos manter para toda a vida, independente de pandemia e de ter bebês em casa ou não. A maioria das doenças respiratórias infecciosas são transmitidas dessa forma.

4- Cuidados com o bebê no inverno nos passeios

Além de manter seu filho bem agasalhado nos dias de frio, outro cuidado essencial é evitar as mudanças fortes de temperatura.

De forma geral, o indicado é que os recém-nascidos não sejam levados a locais com aglomeração de pessoas, pois, como ainda não tomaram todas as vacinas, estão mais expostos a riscos. No inverno, esse cuidado deve ser redobrado. Ao sair de casa, evite lugares com muitas pessoas e horários em que o frio é mais rigoroso, preferindo passeios entre 10 e 17 horas, quando o sol já apareceu e deixa o ambiente mais quentinho.

5- Cuidados no banho

Antes de dar banho no seu filho, já separe todos os itens que você vai precisar, como toalha, shampoo, sabonete, roupas e fraldas, para economizar tempo e evitar que o bebê sinta frio. O horário mais indicado para o banho é no final da manhã ou início da tarde. Mesmo no inverno, a água não deve estar muito quente, a temperatura ideal é em torno de 37ºC.

Uma dica valiosa para evitar banhos com água quente demais é usar um aquecedor dentro do banheiro. Eu tenho um pequeno, portátil, que ligo no banheiro 10 minutinhos antes do banho para aquecer o ambiente. Assim, os meninos ficam mais confortáveis e não preciso esquentar tanto a água. É importante, depois do banho, desligar o aquecedor e esperar a temperatura igualar com o ambiente antes de liberar os pequenos.

Em outro post falei mais sobre outros cuidados importantes para evitar que o bebê tenha alergias na pele durante o inverno. Vou deixar o link aqui embaixo para vocês lerem:

Como prevenir alergias na pele do bebê durante o inverno?

6- Limpeza nasal diária

A limpeza das vias respiratórias traz (muitos) benefícios para os bebês, como hidratação da região nasal e eliminação de secreção, e pode ser feita desde o primeiro dia de vida deles.

É normal sentir um pouco de medo e aflição nas primeiras vezes que você fizer a limpeza nasal com seu filho, mas saiba que, se for feito da forma certa, esse hábito não tem contraindicações para o bebê. Essa limpeza deve ser feita com soro fisiológico (cloreto de sódio 0,9%) e uma seringa. No meu Instagram @gibelarmino_ eu mostro como faço com meus filhos desde que eram bebês, por recomendação da pediatra, e eles ficam tranquilos.

7- Nebulização e umidificação

Como o tempo tende a ficar mais seco no inverno, é importante manter as vias aéreas hidratadas com a nebulização. O uso de umidificadores de ambiente também é importante e vai ajudar muito nesses dias.

No post que vou deixar abaixo eu explico as diferenças entre os diferentes tipos de nebulizadores e falo um pouco sobre qual eu utilizo com meus filhos.

Nebulizador e inalador: diferença e qual é melhor?

Destaco que o frio não “dá gripe”, a gripe é um vírus e sua contaminação acontece no ar e no contato, e no inverno, pelo tempo ficar mais seco, a dispersão do vírus aumenta, por isso esses são alguns cuidados básicos para te ajudar a manter a saúde do seu bebê no inverno.

Nesse outro post do site eu trago 7 dicas para bombar a imunidade do seu filho no inverno. Um combo perfeito para passar um inverno longe de doenças respiratórias!

De mãe em mãe, construiremos um novo maternar!

Referências

Achilles N, Mösges R. Nasal saline irrigations for the symptoms of acute and chronic rhinosinusitis. Curr Allergy Asthma Rep. 2013;13(2):229-235. doi:10.1007/s11882-013-0339-y

Anderson EJ, Daugherty MA, Pickering LK, Orenstein WA, Yogev R. Protecting the Community Through Child Vaccination. Clin Infect Dis. 2018;67(3):464-471. doi:10.1093/cid/ciy142

Deixe um comentário

Fechar Menu