You are currently viewing Por que não devemos beijar bebês no rosto?<span class="wtr-time-wrap after-title">Tempo estimado de leitura: <span class="wtr-time-number">5</span> minutos</span>

Por que não devemos beijar bebês no rosto?Tempo estimado de leitura: 5 minutos

Quem nunca teve vontade de beijar, morder, apertar a bochecha de um bebêzinho que atire a primeira pedra! Eu sei que são irresistíveis, principalmente se forem dos nossos bebês e nós entendemos os beijos como uma importante demonstração de afeto, carinho e cuidado.

Entretanto, beijar bebês, principalmente os recém-nascidos, pode ser perigoso e até mesmo colocar a vida deles em risco. 

Pode parecer frescura ou radicalismo, mas não é! Por isso, vou explicar porque, pelo menos no início da vida, não devemos beijar bebês no rosto.

Por que não devemos beijar bebês no rosto? 

beijar bebês no rosto
Imagem: pixelshot on Canva

A resposta para essa pergunta já foi tema de muitos conteúdos por aqui, porque se aplica a diversas situações: o sistema imunológico do bebê ainda é extremamente imaturo! 

A pele do bebê exerce funções indispensáveis para o seu desenvolvimento: promove proteção por barreira, auxilia a regulação da temperatura, a manutenção da hidratação e contribui com a imunidade. A nossa pele é a primeira barreira de imunidade que temos e com o bebê não é diferente.

Nesse vídeo aqui eu explico como funciona nosso sistema imunológico, mas, basicamente, nossas células de defesa necessitam de tempo para que se fortaleçam e isso acontece a cada contato com vírus e bactérias. É assim que surgem os anticorpos contra eles e é assim que as crianças estimulam seu sistema de defesa, pela proximidade com uma enorme variedade de partículas através do contato com pessoas, animais, poeiras etc.

E o beijo… bom, em 2014 um grupo de pesquisadores holandeses publicou um estudo que foi bastante comentado no mundo todo, você com certeza deve ter lido ou visto algo sobre o assunto na época: os pesquisadores detectaram cerca de 80 milhões de bactérias transferidas de uma boca à outra em um beijo de apenas 10 segundos. 

Imagina essa quantidade de bactérias saindo da boca de um adulto ou uma criança maior, na bochecha de um recém-nascido que acabou de sair do útero e tem a pele fina e super sensível, que não teve contato com o mundo aqui fora e, por isso, seu sistema imunológico ainda não criou anticorpos para lidar com a maioria dos micro-organismos?! 

É aí que, enquanto nós adultos ou crianças maiores não sentiríamos nem cócegas ao entrar em contato com essa carga de micro-organismos, um bebê pode desenvolver desde uma alergia leve até alguma doença grave e que pode ser fatal!

Quais são os riscos de beijar bebês no rosto? 

beijar bebês no rosto
Imagem: fotostorm on Canva

Agora que entendemos que, sim, existem riscos ao beijar bebês no rosto, vamos entender melhor o que pode acontecer: 

A primeira e mais comum consequência dos beijinhos no rosto do bebê é bem conhecida como “brotoeja do beijo”. Ela é uma dermatite, ou seja, um tipo de alergia de pele do bebê, que pode ser reconhecida por bolinhas que ficam geralmente nas bochechas, mas também podem aparecer no resto do rosto e no pescoço. 

Pode ser uma dermatite de contato, ou seja, reação alérgica a algum produto como batom ou hidratante ou até partículas de comidas ou bebidas que são inofensivas para os adultois mas podem causar essa reação alérgica nos bebês. 

O vírus da Herpes também pode ser transmitido. Segundo a Organização Mundial da Saúde, 67% das pessoas com menos de 50 anos têm infecção pelo vírus da herpes. Para adultos essa infecção pode ser assintomática ou pouco incômoda, mas não tem cura e, quando afeta recém-nascidos pode levar até a morte. 

Além disso, temos outras doenças virais como gripes, resfriados e COVID-19, que são transmitidas por gotículas de saliva e também podem afetar os bebês de maneira pior do que os adultos! 

E agora? Não posso mais beijar meu bebê? 

Claro que pode! Podemos dar beijinhos de leve na cabeça do bebê, pois é uma área onde fica mais difícil para as bactérias o atingir de alguma forma. As mãos e pezinhos devem ser evitados também porque são partes do corpo que o bebê leva à boca com frequência. 

A vontade de encher o seu bebê de beijos sempre vai ser grande, é claro. Não há como não se sentir dessa forma quando você vê qualquer outro bebê, quanto mais o seu próprio filho. 

Mas a questão é que se deve expressar todo esse amor de alguma outra maneira, pelo menos nos primeiros meses do bebê até que ele já esteja mais protegido. Conforme ele for tomando as vacinas, sendo amamentado e desenvolvendo repertório imunológico, o contato pelo beijo não o prejudicará tanto. 

De mãe em mãe, construiremos um novo maternar!

Referências

Rayala BZ, Morrell DS. Common Skin Conditions in Children: Neonatal Skin Lesions. FP Essent. 2017;453:11-17.

Goleva E, Berdyshev E, Leung DY. Epithelial barrier repair and prevention of allergy. J Clin Invest. 2019;129(4):1463-1474. doi:10.1172/JCI124608

Pittet LF, Curtis N. Postnatal Exposure to Herpes Simplex Virus: To Treat or Not to Treat?. Pediatr Infect Dis J. 2021;40(5S):S16-S21. doi:10.1097/INF.0000000000002846

Odegaard K. Kissing as a mode of transmission of infectious mononucleosis. Lancet. 1967;1(7498):1052-1053. doi:10.1016/s0140-6736(67)91559-0

Kort R, Caspers M, van de Graaf A, van Egmond W, Keijser B, Roeselers G. Shaping the oral microbiota through intimate kissing. Microbiome. 2014;2:41. Published 2014 Nov 17. doi:10.1186/2049-2618-2-41

Deixe um comentário

Fechar Menu