You are currently viewing Mitos e verdades da alimentação na gestação<span class="wtr-time-wrap after-title">Tempo estimado de leitura: <span class="wtr-time-number">8</span> minutos</span>

Mitos e verdades da alimentação na gestaçãoTempo estimado de leitura: 8 minutos

 

A alimentação na gestação é mais simples do que imaginamos, mas é cercada de mitos e dúvidas. No vídeo de hoje esclareço todos os mitos e te explico como ter uma alimentação saudável para uma gestação tranquila!

 

O principal mito propagado sobre alimentação na gestação é o de que grávida deve comer por dois! É verdade que seu corpo está produzindo outro ser humano e isso gasta bastante energia. O combustível do nosso corpo são as calorias que consumimos nos alimentos, então quando a  gente tem um gasto maior de energia, precisamos consumir mais calorias. Seu corpo traduz essa necessidade na fome. Então será natural você sentir mais fome e comer mais durante a gestação. 

Mas, apesar das necessidades nutricionais de gestantes serem diferentes das de uma mulher não grávida, essas diferenças NÃO são tão altas a ponto de se justificarem grandes modificações no cardápio.

Esse é um mito bastante comum durante a gestação, mas não é o único! Por isso, agora vou esclarecer outros mitos relacionados à alimentação na gestação!

Mitos e verdades da alimentação na gestação

https://youtu.be/-LeSeHj_Pwk

Grávida não pode comer salada crua 

Mito. O maior problema relacionado à ingestão de salada crua é o risco de infecção por toxoplasmose. Aproximadamente 54% das gestantes são suscetíveis a esta doença (têm IgG e IgM negativos). A toxoplasmose é uma doença parasitária, geralmente assintomática e, quando contraída durante a gestação, pode levar problemas sérios no bebê e até mesmo abortos. 

As formas de transmissão incluem contato com as fezes de gatos infectados, ingestão de vegetais e carnes contaminados. Portanto, as grávidas que não são imunes à toxoplasmose devem evitar vegetais crus em restaurantes e locais em que ela não consegue ter certeza de que foram devidamente higienizados

Em casa quando bem higienizados (usando solução de hipoclorito) podem e devem ser consumidos.

Grávida não deve comer carne crua

Verdade. Como expliquei, a carne crua deve ser evitada por gestantes não imunes à toxoplasmose. Elas não devem ingerir carne crua ou mal cozida. Nada de comer aquele churrasquinho com carne sangrando no meio, é perigoso.

Grávida não pode comer comida japonesa

Mito. Muitas grávidas que têm suscetibilidade à toxoplasmose não comem peixe cru. Porém, o peixe não faz parte do ciclo reprodutivo do parasita que causa a doença. Assim, do ponto de vista científico, não há razões para proibir seu consumo na gravidez. Entretanto, por se tratar de uma comida crua, é importante tomar cuidado higiênico/sanitário, como: escolher um restaurante de boa procedência e pedir sempre a “la carte”, evitando consumir comida japonesa exposta em self-services.

Essa é uma recomendação que ainda difere entre os médicos, então é importante verificar qual é a conduta que o seu obstetra adota com relação a este assunto!

Grávida não pode consumir queijos

Verdadeiro, em parte. Queijos moles como brie, camembert e feta devem ser evitados na gestação. Esses tipos de queijo, que não são pasteurizados, podem ser meio para o desenvolvimento da bactéria Listeria oferecendo risco de infecção gastrointestinal intensa, atingindo o sistema imunológico e podendo levar ao aborto ou ao nascimento prematuro do feto. 

É indicado o consumo apenas de queijos brancos duros, curados e pasteurizados.

Grávidas não podem praticar atividade física

Mito. Se você já praticava atividade física antes da gestação, não tem uma gestação de risco e tem autorização do seu médico, continuar praticando não só é permitido como é recomendado! Converse com o seu treinador ou a pessoa que conduz sua atividade física para adaptá-la ao seu momento e siga firme!

Saiba mais: Como organizar a rotina de casa no pré-parto para garantir um pós-parto tranquilo

Suplementação durante a gestação

alimentação na gestação

Imagem: Canva

Agora vamos falar sobre suplementação durante a gestação. Se lá no preparo o único nutriente importante e que precisava de suplementação no período pré-gestacional era o ácido fólico, aqui durante a gestação os micronutrientes de maior atenção são Vitamina D, ácido fólico, ferro e vitamina B12. 

● Vitamina D – regula o cálcio e o fosfato, essenciais para o desenvolvimento dos ossos e dentes do bebê;

● Folato/ácido fólico – ajuda a prevenir defeitos do tubo neural e é recomendado até a 12ª semana de gestação;

● Ferro – um suprimento saudável é necessário para suportar o aumento do volume sangüíneo e reduzir o risco de anemia por deficiência do nutriente;

● Vitamina B12 – ajuda o corpo a processar o ácido fólico e está envolvido na liberação de energia dos alimentos e na produção de glóbulos vermelhos.

Com a suplementação de polivitamínico é possível garantir que essa gestante esteja ingerindo a quantidade necessária desses nutrientes, que são essenciais para a formação do bebê, independente da alimentação. 

Entretanto, se você está bem acompanhada nutricionalmente, pode individualizar essa suplementação. 

Outro nutriente importantíssimo para a gestação é o DHA. 

DHA é uma gordura da família ômega-3 que é essencial na formação do sistema neurológico do bebê. A principal fonte alimentar desse nutriente são peixes e frutos do mar. A suplementação de DHA nesse caso é recomendada por dois motivos: 1- a população brasileira não tem hábito de consumir peixes e frutos do mar diariamente em quantidades suficientes para atingir a necessidade desse nutriente para a fase da gestação. 2- Como a necessidade na gestação é alta, o consumo de peixes e frutos do mar em grande quantidade esbarra no risco de contaminação por mercúrio. Por isso, é recomendada a suplementação de DHA proveniente de algas durante a gestação e a amamentação. 

Alguns polivitamínicos destinados à gestantes já contém DHA na composição então converse com seu obstetra e com a nutricionista que te acompanha sobre qual o melhor suplemento para você. 

Dicas para aliviar o enjoo na gravidez

Imagem: Canva

O enjoo é um dos principais sintomas da gestação. A ocorrência de náuseas e vômitos até a 14ª semana, chamada cientificamente de emese gravídica, é considerada normal pelos especialistas. 

Se você está sofrendo com esse sintoma, aqui vão algumas dicas para te ajudar: 

  • Proteja-se de odores fortes.
  • Alimente-se de pequenas refeições leves em vez de ingerir comidas pesadas e em grandes quantidades.
  • Não tome muitos líquidos durante as refeições.
  • Hidrate-se bastante, preferencialmente, num intervalo de 30 minutos a uma hora.
  • Evite alimentos muito gordurosos, fritos, apimentados ou com excesso de açúcar.
  • Descanse após as grandes refeições como café da manhã, almoço e jantar.
  • Vista-se confortavelmente, com roupas largas e que não apertem o corpo. 
  • Consuma alimentos cítricos e com gengibre
  • Alimentos molhados e quentes pioram a sensação de enjoo. Então dar preferência para alimentos secos e gelados como bolachinhas e sanduíches. 

Quando os enjoos não são normais? 

alimentação na gestação

Imagem: Canva

Como eu falei, geralmente espera-se que os enjoos desapareçam após a 14ª semana de gestação. Porém, se as náuseas e os vômitos persistirem e estiverem associados à perda de peso, desidratação, entre outros sintomas, pode ser o caso de uma hiperêmese gravídica, que costuma cessar por volta da 20ª semana. Em algumas situações, porém, o quadro pode persistir até o parto.

Estudos indicam que uma em cada 50 mulheres pode desenvolver a doença. Sem tratamento adequado, a doença pode trazer complicações mais sérias, por isso é muito importante acompanhar de perto o problema com o médico durante as consultas do pré-natal.

A gestante deve procurar o médico quando os enjoos e vômitos não passarem e estiverem prejudicando o dia a dia. O profissional de saúde fará a análise clínica e poderá pedir alguns exames, inclusive para descartar a presença de outras doenças.

Referências

Ministério da Saúde. Guia alimentar para a população brasileira na orientação alimentar de gestantes. 2021.

Dias MCG, Catalani La, Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral. Terapia Nutricional na Gestação. Projeto Diretrizes, 2011.

Deixe um comentário

Fechar Menu