Você está visualizando atualmente Diretriz da OMS para alimentação complementar: o que mudou

Diretriz da OMS para alimentação complementar: o que mudou

Desvendando as polêmicas da nova diretriz da OMS para alimentação complementar

As recentes diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS) para a introdução alimentar de bebês têm gerado intensos debates. Neste artigo, vou discutir os pontos polêmicos abordados em três vídeos informativos. Desde o uso do leite de vaca até a permissão de derivados do leite, cada recomendação será explorada para proporcionar uma compreensão mais clara sobre as complexidades envolvidas.

Diretriz da OMS para alimentação complementar: desvendando as polêmicas

1. Leite para Bebês com Menos de 6 Meses?

No primeiro vídeo, a OMS recomenda oferecer leite para bebês a partir dos 6 meses, o que gerou controvérsias. A discussão inclui a possibilidade de substituir fórmula ou leite materno por leite de vaca, mas com considerações específicas para diferentes realidades econômicas. É importante destacar que o leite de vaca não é a primeira opção e deve ser uma escolha avaliada individualmente em situações excepcionais.

2. Suco para Menores de 1 Ano?

O segundo vídeo aborda a polêmica sobre a permissão de dar suco para menores de 1 ano. A diretriz não mostra relação com sobrepeso, mas a falta de informações sobre diabetes e redução do consumo de água e frutas levanta questões. A avaliação individual da necessidade de oferecer suco é crucial, e o vídeo destaca a importância da interação.

Entenda: Novas recomendações para consumo de bebidas de 0 a 5 anos

3. Derivados do Leite para Menores de 1 Ano?

Na última parte, o foco está na nova recomendação de oferecer derivados do leite para menores de 1 ano. A OMS permite, mas não obriga, considerando que bebês sem alergias à proteína do leite de vaca já têm contato com essas proteínas através do leite materno ou da fórmula infantil. É essencial notar que a escolha dos derivados deve ser cuidadosa, evitando opções com sal, açúcar e aditivos inadequados para bebês.

As novas diretrizes de introdução alimentar da OMS despertaram debates significativos. É crucial entender a complexidade por trás de cada recomendação, considerando as diferentes realidades e necessidades das famílias. Ao acompanhar as discussões apresentadas nos vídeos, os pais podem tomar decisões informadas sobre a alimentação de seus bebês. Compartilhe suas dúvidas nos comentários e participe dessa conversa sobre saúde infantil.

Para saber mais sobre introdução alimentar, basta me seguir nas redes sociais! Pelo Instagram do De Mãe em Mãe (@demaeemmae_) você tem acesso a mais conteúdo sobre maternidade, e pelo meu perfil (@gibelarmino_), você encontra dicas sobre bem-estar da mãe e dicas para empoderar seu maternar.

IMPORTANTE: O conteúdo desta página não deve substituir as orientações médicas e/ou nutricionais de profissionais da saúde habilitados. 

Referências:

WHO Guideline for complementary feeding of infants and young children

6–23 months of age. Geneva: World Health Organization; 2023. Disponível em: <https://iris.who.int/bitstream/handle/10665/373358/9789240081864-eng.pdf?sequence=1>

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aleitamento materno: Prevalência e práticas de aleitamento materno em crianças brasileiras menores de 2 anos 4: ENANI 2019. – Documento eletrônico. – Rio de Janeiro, RJ: UFRJ, 2021. (108 p.). Coordenador geral, Gilberto Kac. Disponível em: <https://enani.nutricao.ufrj.br/index.php/relatorios/>

Healthy Beverage Consumption in Early Childhood. Recommendations from Key National Health and Nutrition Organizations. 2019. Disponível em: <https://healthydrinkshealthykids.org/app/uploads/2019/09/HER-HealthyBeverageTechnicalReport.pdf

Deixe um comentário

Fechar menu