You are currently viewing Como ter sucesso no aleitamento materno em 10 passos<span class="wtr-time-wrap after-title">Tempo estimado de leitura: <span class="wtr-time-number">7</span> minutos</span>

Como ter sucesso no aleitamento materno em 10 passosTempo estimado de leitura: 7 minutos

O aleitamento materno é um dos temas que mais gera dúvidas nas mulheres que estão esperando um bebê, pois trata-se de uma nova e intensa experiência. Ao contrário do que algumas pessoas pensam, amamentar ou mamar não são ações instintivas. Ou seja, a mãe e o bebê não nascem sabendo, eles aprendem juntos.

Umas das melhores maneiras de se preparar e aprender a amamentar, é buscando informação e para te ajudar, hoje trago 10 dicas ue vão te ajudar a ter sucesso no aleitamento materno.

Como ter sucesso no aleitamento materno

aleitamento materno

1- Via de parto

Um dos hormônios mais importantes durante o parto vaginal é a ocitocina, que é liberada em altas concentrações durante o parto e é um dos responsáveis pela descida e ejeção do colostro.

Quando a mulher, independente do motivo, passa por uma cesárea eletiva e não entra em trabalho de parto, a quantidade de ocitocina circulando no sangue pode não ser tão alta e isso pode dificultar a descida do leite.

Mas isso não significa que mulheres que tem parto cesárea não conseguem amamentar. Meus dois filhos nasceram de parto cesárea. Do Gustavo eu entrei em trabalho de parto, mas do Murilo não e eu amamentei os dois tranquilamente. Gustavo por 8 meses e Murilo por 2 anos.

A ocitocina liberada no parto pode ajudar no início do aleitamento materno, mas há outros fatores que fazem toda a diferença, como o próximo item dessa lista!

2- Golden hour e alojamento conjunto

A primeira hora de vida do bebê é super importante e, por isso, passou a ser chamada “golder hour”, hora de ouro ou hora mágica, em português. Deixar o bebê em contato com a pele da mãe assim que nasce e, se possível, deixar que procure o peito, além de fortalecer o vínculo mãe e filho e ajudar o bebê a lidar com a mudança brusca de temperatura e ambiente quando sai do útero, aumenta o sucesso da amamentação.

Se possível, converse com sua equipe de parto para que você consiga ter esse momento pele a pele com seu bebê logo após o nascimento.

Após o nascimento, durante o tempo que mãe e filho ficam na maternidade, o ministério da saúde e a sociedade brasileira de pediatria recomendam o alojamento conjunto, quando mãe e filho ficam juntos no quarto durante todo o período de internação (o bebê não fica no berçário). Dentre outros benefícios, essa prática favorece a amamentação, pois o recém-nascido tem sua mãe ao lado o tempo todo e pode mamar sempre que quiser, sem horários fixos ou período determinado.

3- Pega Correta

A pega errada faz com que o bebê sugue apenas o mamilo, que, consequentemente, fica dolorido e machucado, dificultado a amamentação. Além disso, ele não consegue mamar direito, cansa logo e não é bem-alimentado, resultando em baixo ganho de peso.

Manter a pega correta durante a amamentação previne gases no bebê, evita machucados no peito da mãe e estimula as glândulas mamárias, o que melhora a produção de leite.

Sempre que amamentar o bebê, verifique se:

  • o queixo está encostando na mama e se ele consegue respirar pelo nariz
  • a boca está bem aberta e ele abocanha a aréola (não só o mamilo)
  • a pega da mama não dói
  • ele começa com sugadas curtas e depois suga de forma mais lenta e profunda

4- Alimentação e hidratação

A mãe precisa se hidratar muito, mesmo. A ingestão de líquidos adequada é essencial para garantir a boa produção de leite. Então a mãe precisa se policiar e, se tiver chance, de alguém que a lembre de beber água ao longo do dia.

O mesmo vale para a alimentação: seu corpo sempre dará preferência para o leite, então se você não consumir nutrientes necessários, seu leite não vai deixar de ser completo para o bebê, mas você ficará com deficiências que pode resultar em queda de cabelo, unhas fracas, cansaço, indisposição.

Nessa hora ajuda muito deixar a alimentação já planejada e, se possível, marmitas prontas e congeladas. Dessa forma você garante que terá sempre comida saudável e pronta para você se alimentar e consegue dedicar mais tempo para o seu bebê e descansar.

E-BOOK – Congelamento: receitas práticas para o dia-a-dia

5- Lactogogos

Substâncias lactogogas são aquelas que aumentam a produção de leite.
Se você estiver voltando a trabalhar ou, se por algum motivo, percebeu que sua produção de leite foi afetada, você pode utilizar alguns desses artifícios.

Os que eu testei e sei que funcionam (pela prática e por estudos científicos) são o chá da mamãe da Weleda e tintura de algodoeiro.

A tintura de algodoeiro é um fitoterápico e apesar de não apresentar efeitos colaterais para mãe e para o bebê, é importante consultar seu pediatra, então não vou passar aqui as indicações de uso.

6- Descanso

O estresse diminui a produção de leite, e a falta de descanso também. Por isso é importante estabelecer uma rotina, com a ordem dos acontecimentos do dia, para que você tire um tempo para você, seja para descansar ou fazer algo que te faça bem. O bem-estar da mãe é essencial para o sucesso da amamentação.

7- Rede de apoio

Converse com seu parceiro e com a sua família sobre a amamentação, sobre a importância desse momento para você e para seu filho, busque informação para desmistificar possíveis preconceitos que possam surgir e deixe claro o quanto essa rede de apoio é importante para o sucesso da amamentação.

8- Bicos artificiais

O uso de chupetas, mamadeiras e bico de silicone podem causar confusão de bicos, o que pode dificultar e até interromper a amamentação.

Se você optar por oferecer chupeta, evite oferecê-la próximo aos períodos de alimentação do bebê para que não haja confusão.

Se, por acaso, você precisar oferecer fórmula ou se precisar tirar o seu leite para oferecer ao bebê, se ele ainda for muito novinho, o ideal é oferecer com a colher ou copinho próprio para amamentação, mas se seu bebê já for maiorzinho e já tiver a amamentação bem estabelecida, você pode testar utilizar mamadeira. Existem algumas que tem o bico que mimetizam o seio materno, isso ajuda a evitar a confusão de bicos.

É importante estar ciente que o bebê movimenta músculos e precisa “trabalhar” para mamar no peito. Na mamadeira, o leite vem fácil, o trabalho dele é mínimo para se alimentar. Então o uso de mamadeira com frequência pode fazer com que o bebê não queira mais mamar no peito.

9- Ambiente

Não existe uma regra sobre qual é a melhor posição e local para amamentar. Você precisa encontrar qual é a mais confortável para você. Eu tive cadeira de amamentação com o Gustavo e quase não utilizei, então nem comprei quando fiquei grávida do Murilo.

Almofada de amamentação também pode ser muito confortável para algumas mães, mas nem tanto para outras. É importante que você teste as opções e encontre qual é a sua forma confortável de amamentar.

Sempre que possível, amamente em um ambiente tranquilo, sem muito barulho, para que você possa observar seu bebe, prestar atenção se ele está fazendo barulhos que indiquem pega incorreta. Além disso, esse contato e olho no olho aumentam a produção de leite e são essenciais para a amamentação de sucesso.

10- Conhecimento

Por último, busque conhecimento. Não tenha vergonha de procurar ajuda se perceber que precisa. Hoje em dia existem profissionais especializados em ajudar mulheres com a amamentação. Não existe leite fraco. Confie em você, nos profissionais que te acompanham e não de ouvidos a opiniões quando você perceber que elas te afetam negativamente.


Esse é um momento único que você e seu filho vão viver, e é essencial que esteja saudável para os dois para o sucesso e continuidade!

De mãe em mãe, construiremos um novo maternar!

Acompanhe Gi Belarmino no Instagram @gibelarmino_.

Deixe um comentário

Fechar Menu