You are currently viewing Como lidar com as mudanças no casamento após a chegada dos filhos<span class="wtr-time-wrap after-title">Tempo estimado de leitura: <span class="wtr-time-number">6</span> minutos</span>

Como lidar com as mudanças no casamento após a chegada dos filhosTempo estimado de leitura: 6 minutos

Construir uma família pode ser um sonho de muitos casais, mas a chegada dos traz consigo mudanças no casamento. Surgem novas funções que incluem fraldas, banhos, amamentação e noites mal dormidas que impactam instantaneamente a vida do casal. Hoje trago algumas reflexões sobre como lidar com as mudanças no casamento após a chegada dos filhos. 

Como lidar com as mudanças no casamento após a chegada dos filhos

Existem diversos comportamentos que podemos evitar ou adquirir para melhorar a relação amorosa. Destaco aqui 5 dicas para te ajudar a vivenciar um ambiente familiar mais saudável, para que os filhos cresçam e se desenvolvam da melhor forma possível.

1. Reclamação saudável

Todos nós temos as próprias necessidades e desejos, e essas necessidades podem colidir, produzindo fortes emoções. Com isso, podemos desenvolver um estado de espírito que chamamos de “sentimento negativo”, onde os maus pensamentos sobre o parceiro dominam e anulam qualquer pensamento positivo.

Neste cenário, há dois resultados possíveis: se distanciar emocionalmente para evitar a dor ou atacar. Quando você não expressa suas necessidades, mais conhecidas como queixas e reclamações, seu parceiro ou parceira é mantido no “escuro”, reduzindo a probabilidade de atender às suas expectativas, simplesmente, porque não sabe o que há de errado.

Por isso, não deixe de expressar o que incomoda, mas cuidado para não fazer reclamações “nocivas” – aquelas carregadas de crítica, sarcasmo ou raiva.  Então, em vez de dizer: “Você está mentindo, eu sei que isso não é verdade”. Diga: “Eu fico triste quando você não me conta tudo, gosto de ter uma relação de confiança”.

2. Conflito saudável

No casamento em que se evita conflitos, os cônjuges preferem se esquivar de desentendimentos ao invés de explorar emoções potencialmente difíceis de lidar. Casais que evitam conflitos podem passar anos juntos, simplesmente ignorando ou minimizando suas diferenças.

Pode ser possível ter um casamento feliz nestas condições. O que acontece é que os cônjuges reafirmam o que eles gostam, valorizam seus relacionamentos, acentuam o que é positivo e “aceitam” o resto. Isso permite que eles equilibrem áreas de desacordo e, mesmo resolvendo muito pouco, continuam se sentindo bem um com o outro.

O perigo neste estilo de casamento “emocionalmente distante”, é quando há situações estressantes ou desafiadoras, tais como: o nascimento de um filho, perda de emprego ou a doença de algum familiar.

Eu, particularmente, acho complicado ignorar algumas mudanças no casamento que acontecem após a chegada dos filhos. No meio de tais experiências que alteram a vida, as pessoas precisam de um plano para falar de sentimentos, tais como tristeza, medo ou raiva, e encontrar conforto em seus relacionamentos. Casais que habitualmente esquivam-se de enfrentar esses momentos difíceis, consequentemente, deixam as crises os tornarem ainda mais emocionalmente distantes. Para evitar esse risco, é importante aprender a compartilhar emoções fortes e “falar” sobre sentimentos e insatisfações.

Emoções negativas: 5 dicas para auxiliar seu filho a lidar com elas

3. Terapia

É um mito pensar que as pessoas que são felizes no relacionamento, não se queixam do comportamento do outro. Na verdade, seria quase impossível esperar que dois seres humanos vivessem juntos, sem queixas.

Cada um traz sua bagagem emocional, religiosa, cultural e comportamental. Traz seus sonhos, suas decepções e suas expectativas. E quando falamos de expectativa, a criação dos filhos assume um papel muito importante nesta relação, pois o casal irá juntar todas as suas similaridades e diferenças para criar um novo ser humano. 

Como já falei aqui no site, no link que vou deixar aqui embaixo, que somos uma geração que não aprendeu a lidar com as nossas emoções e acabamos nos tornando adultos com pouca inteligência emocional. Isso pode ser desafiador no casamento mas assume outra proporção quando falamos de criação de filhos.

Por aqui a terapia ajudou muito. Tanto eu quanto meu marido fazemos terapia individualmente, há anos, e depois que o Gustavo nasceu, nos vimos em um momento da educação dele em que sentimos necessidade de ajuda profissional para lidar com alguns conflitos de casais. E então, por um período, fizemos terapia de casal para nos auxiliar na tomada de decisões que teríamos dali em diante com relação à educação do Gustavo. 

Foi ótimo e estendemos esses aprendizados à educação do Murilo e, na verdade, à nossa dinâmica familiar. Então essa é uma dica que eu sempre dou, na vida: terapia é para todo mundo, mas eu acho essencial, se você tem essa opção, incluir a terapia como parte essencial do planejamento dos filhos, antes mesmo que as mudanças no casamento aconteçam.

4. Gratidão e reconhecimento

Uma das chaves para um casamento mais feliz é demonstrar carinho e admiração, que são perfeitos antídotos para distanciamento emocional e sentimentos negativos. Quando os casais fazem um esforço consciente para perceber as coisas que eles gostam em relação à personalidade e caráter do parceiro, ao expressar esse carinho em voz alta, seus relacionamentos geralmente melhoram. Então, sempre que tiver uma oportunidade, elogie aquilo que você admira e gosta no outro. 

5. Problemas perpétuos

Todos os relacionamentos experimentam certo número de conflitos, diferenças que não desaparecem, não importa o que se faça. Conflitos podem diferir de casal para casal; enquanto uns discordam constantemente sobre dinheiro e tarefas domésticas, outros entram em conflito em relação à educação dos filhos. No entanto, questões perpétuas que se tornam conflitos bloqueados, podem prejudicar o casamento.

Para evitar que isso aconteça, ao invés de encontrar a solução perfeita, veja o problema como um terceiro elemento do seu relacionamento; aceite que, talvez, o conflito nunca desapareça, mas que vocês podem viver pacificamente. Para isso, é necessário que continuem falando sobre eles de maneira aberta e produtiva. 


Com o tempo vocês vão encontrando forma de se adaptar às mudanças no casamento que chegam junto com os filhos. Você vai ver que não voltará a ser como era antes dos filhos, mas esse é um detalhe pequeno, porque os filhos, quando desejados, trazem muita alegria para nosso lar.

Não se cobre incessantemente para ter um tempo de casal ou para ser o casal perfeito, faz parte entender que vocês estão aprendendo juntos a lidar com essa nova dinâmica e que assim que as coisas estiverem mais tranquilas, vocês voltarão a encontrar novamente esse tempo para vocês, que é sim muito importante, seja um jantar, deitar mais tarde para assistir uma série, sair para jantar em um lugar diferente sem as crianças, enfim, vocês vão encontrar o momento de vocês, mas façam isso sem pressão para não se tornar uma obrigação que pode desgastar o relacionamento. 

Me conta aqui nos comentários qual foi a maior dificuldade que você percebeu no seu casamento após o nascimento dos filhos e como você fez para superá-la? Vamos ampliar esse diálogo e abraçar mais mães! 

De mãe em mãe, construiremos um novo maternar!

Siga o De Mãe em Mãe também no Instagram: @demaeemmae_

Deixe um comentário

Fechar Menu