You are currently viewing 7 dicas para bombar a imunidade das crianças<span class="wtr-time-wrap after-title">Tempo estimado de leitura: <span class="wtr-time-number">6</span> minutos</span>

7 dicas para bombar a imunidade das criançasTempo estimado de leitura: 6 minutos

A chegada do inverno é sinônimo de consultórios pediátricos e prontos-socorros lotados de crianças doentes – e de pais preocupados. O pico de internações hospitalares causadas por doenças respiratórias, por exemplo, acontece entre o início de abril e o final de julho. Isso ocorre por causa da sazonalidade de certos tipos de vírus, como o da gripe, que é mais comum nessa época do ano. E, além disso, por conta do frio, a tendência é ficarmos em ambientes fechados, o que facilita a transmissão.

Por isso, hoje trouxe algumas dicas para te ajudar a bombar a imunidade das crianças não só no inverno, mas o ano inteiro.

Primeiro, vamos entender melhor como funciona o sistema imunológico:

O sistema imunológico é formado por uma rede de células e moléculas dispersas pelo nosso corpo, cujo papel é reconhecer e, então, destruir ou inativar qualquer estrutura considerada estranha – como uma bactéria ou um vírus. Para atacar quando e onde for necessário, ele conta com diversos órgãos, como o timo, as amídalas e a medula óssea, onde são produzidos diversos tipos de células de defesa, assim como a pele, que é uma barreira natural contra microrganismos.

Ele possui também tecidos – que são grupos de células – espalhados por inúmeras partes do corpo, como no intestino. As crianças já nascem com parte desse complexo sistema pronto e ele vai se desenvolvendo aos poucos. Por conta dessa imaturidade elas tendem a ficar doentes com mais frequência, mas é normal.

Como melhorar a imunidade das crianças

1) Amamentação
Durante o aleitamento, o bebê recebe anticorpos maternos presentes no leite. Tanto que o colostro, ou seja, o leite produzido pela mãe logo após o parto, é considerado a primeira vacina. Mas a influência da amamentação na construção da imunidade não para aí. Somado a isso, o contato com os microrganismos da pele da mãe, que entram pela boca do bebê, também favorece a colonização do microbioma do intestino dele. Além disso, as terminações nervosas presentes na aréola “interpretam” a saliva do bebê e produzem o leite de acordo com as necessidades do pequeno naquele momento. Portanto, se você amamenta, saiba que está dando uma super ajuda ao sistema imunológico do seu filho.

2) Vacinação em dia
As vacinas são a maneira mais segura e eficaz de melhorar a imunidade das crianças. Por isso, mantenha a carteira de vacinação do seu filho em dia! Vou deixar listados aqui embaixo alguns posts onde expliquei a importância, segurança e eficácia das vacinas, calendário de vacinas para cada faixa etária e também as diferenças entre vacinas particulares e gratuitas. São conteúdos baseados em estudos científicos e pensados para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto, vale a pena a leitura. Eu acredito que investimento em vacina vale mais do que enxoval!

Calendário de vacinas do bebê de 0 a 24 meses

Vacinas de 2 a 10 anos

Vacina para crianças: posto de saúde ou clínica particular?


3) Alimentação saudável
O papel da alimentação é também manter esse sistema atuante, fornecendo a ele os nutrientes capazes de ajudar a modular suas respostas. Os minerais e as vitaminas fazem parte desse grupo de nutrientes, assim como os compostos bioativos encontrados nos alimentos, pré e probióticos que influenciam a microbiota intestinal, também são elementos que participam da proteção do organismo.

Uma alimentação completa e variada é capaz de fornecer todos esses nutrientes de maneira adequada. Sendo assim, a suplementação não é indicada para todo mundo. Estudos mostram, inclusive, que quando se trata de prevenção, a suplementação de micronutrientes não é mais eficiente do que alterações no estilo de vida que incluem alimentação balanceada, atividades físicas e cuidados com a saúde mental.

Por isso, o ideal é que você inclua fontes alimentares desses nutrientes frequentemente na sua alimentação e procure um nutricionista ou médico para avaliar uma suplementação específica se for necessária.

4) Sujeira
Sim, é isso mesmo que você leu. Em 1989, o médico inglês David Strachan apresentou a Teoria da Higiene, segundo a qual crianças que vivem em ambientes limpos demais são mais propensas a desenvolver doenças alérgicas.

Mas calma, não significa que você precisa parar de limpar a casa e deixar seu filho, literalmente, na sujeira, a recomendação aqui é o caminho do meio. Medidas como lavar as mãos ao pegar o recém-nascido e antes das refeições, além de esterilizar bicos e mamadeiras nos primeiros seis meses, são válidas, claro. Só não dá para, como dizem, criar o filho em uma bolha. Deixar a criança brincar com terra sem que sua mão seja lavada imediatamente, deixá-la ter contato com animais de estimação, são algumas atitudes que podem ajudar a ter contato com agentes que vão ajudar a melhorar a imunidade das crianças.

5) Atividade física
E, quando o assunto é levar uma vida mais leve, tem coisa mais gostosa do que movimentar o corpo, seja brincando, dançando e correndo? Por isso, praticar esportes também é uma recomendação de praxe para seu filho crescer saudável. As atividades físicas reforçam a saúde como um todo, pois aumentam o apetite, melhora o sono e favorecem as condições respiratórias, o que ajuda na prevenção de doenças.

6) Oscillococcinum
O Oscillococcinum é um remédio homeopático indicado para a prevenção e tratamento de estados gripais, que ajuda a aliviar os sintomas gerais da gripe, como febre, dor de cabeça, arrepios e dores musculares pelo corpo e também aumentar a imunidade das crianças.

A pediatra do Gustavo prescreveu para dar um up na imunidade quando ele começou a ir para a escola, e repetimos a dose quando chegou a vez do Muri, e, como eles são muito alérgicos e sempre tem tendência a ficarem doentes no inverno, adotamos o uso como protocolo de prevenção no inverno.

7) Probióticos
Diversos estudos têm sido publicados mostrando a importância da microbiota intestinal para diversos processos do corpo, principalmente a imunidade. A comunicação entre a microbiota intestinal e as células do sistema imune é capaz de desencadear respostas positivas ou negativas. Para atingir essa composição ideal, todas as dicas acima são bem vindas, como alimentação equilibrada e completa, rica em fibras, que são o principal alimento das bactérias do intestino e atividade física, são muito importantes e, para complementar, a ingestão de probióticos, que são bactérias do bem que, quando ingeridas, causam benefício no nosso corpo.

Encontramos na forma de suplemento e em alguns alimentos como iogurte, leite fermentado, kefir.

Essas são algumas dicas que com certeza vão te ajudar a dar um up na imunidade das crianças. Mas lembrem-se de sempre consultar o pediatra e um nutricionista antes de oferecer qualquer medicamento ou suplemento.

Veja mais algumas dicas no meu Instagram @gibelarmino

De mãe em mãe, construiremos um novo maternar!

Referências

Shakoor H, Feehan J, Al Dhaheri AS, et al. Immune-boosting role of vitamins D, C, E, zinc, selenium and omega-3 fatty acids: Could they help against COVID-19?. Maturitas. 2021;143:1-9. doi:10.1016/j.maturitas.2020.08.003

Venter C, Eyerich S, Sarin T, Klatt KC. Nutrition and the Immune System: A Complicated Tango. Nutrients. 2020;12(3):818. Published 2020 Mar 19. doi:10.3390/nu12030818

D.P. Strachan. Hay fever, hygiene, and household size. BMJ, 299 (1989), pp. 1259-1260

Deixe um comentário

Fechar Menu